Vice-governador do Tocantins em reunião com demais governadores — Foto: Reprodução

O vice-governador do Tocantins, Wanderlei Barbosa (PHS), pediu nesta quarta-feira (25) serenidade para lidar com a pandemia do novo coronavírus. O pedido foi dirigido aos 27 governadores dos estados brasileiros e do Distrito Federal, que participaram de uma videoconferência para discutir o tema. O vice representava o governador Mauro Carlesse (DEM), que segundo a Secretaria de Comunicação está em uma viagem particular.

“A nossa preocupação tem sido a preocupação de todos. Nós temos obedecido todas as orientações da Organização Mundial da Saúde, temos trabalhado para tirar as aglomerações dos pontos da cidade e temos levado orientação a todos os lugares do estado onde podemos e atravessamos um momento de dificuldade”, disse ele no começo da fala.

Wanderlei Barbosa disse ainda que divergências ideológicas não ajudam a superar a crise. “Eu acho que nenhuma divergência ideológica nesse momento ajuda, isso só atrapalha. Então manter a serenidade é importante, governador Dória [João Dória, Governador de São Paulo] e senhores governadores, manter a paz e fazer com que o Tocantins e o Brasil estejam livres deste vírus o mais rápido possível”, disse.

Ele pediu que o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), que também participou da reunião, que acelere a votação de projetos que podem auxiliar os estados a lidar com o problema e lembrou as família que estão desabrigadas em função das chuvas no Tocantins. Wanderlei Barbosa disse que o problema com as enchentes prejudica o trabalho de prevenção ao coronavírus.

O vice-governador pediu ainda que seja elaborado um plano estratégico para a retomada dos postos de trabalho após o fim da crise com a doença.

A reunião foi realizada após a repercussão do pronunciamento em que o presidente da república Jair Bolsonaro criticou as medidas de confinamento recomendadas pela Organização Mundial da Saúde e por especialistas do mundo todo para o combate ao coronavírus. Bolsonaro culpou os meios de comunicação por espalharem, segundo ele, uma sensação de “pavor”. E disse que, se contrair o vírus, não pegará mais do que uma “gripezinha”

Durante a manhã, o Governo do Tocantins e as prefeituras das maiores cidades do estado informaram que vão manter as restrições. Segundo o Estado, a intenção é “proteger a população e evitar a propagação do novo coronavírus”.

A prefeita Cinthia Ribeiro (PSDB) também rebateu a fala do presidente e disse, em uma rede social, que por enquanto a ordem é a mesma.

“A luta é para permanecermos vivos. Não há precedentes na história do mundo sobre o que estamos enfrentando. Até que me prove o contrário, estatisticamente e de forma muito segura, em Palmas vamos permanecer seguindo as medidas adotadas. São vidas em jogo, não vamos arriscar”, informou.

Fonte: G1 Tocantins 
Comentários do Facebook