O vereador José Valdir, que foi diplomado em virtude do afastamento por 180 dias de Cícero Moutinho, entrou com uma representação no MP (Ministério Público) contra o presidente da casa, o Elias Madeira, que, conforme José Valdir, se nega a realizar a sessão que daria posse à ele. José Valdir classificou o ato como irresponsável e que tomou as medidas para resguardar seus direitos. “O Elias Madeira está agindo com irresponsabilidade e não merece o cargo que ocupa, como ele pode negar a dar posse a alguém que está perfeitamente diplomado pela justiça eleitoral?”, questionou.

Procurado, o vereador Elias Madeira afirmou que está obedecendo o decreto do executivo e do legislativo que determina o fechamento de órgãos públicos e privados no município de Augustinópolis. “Estou disposto a dar posse ao vereador José Valdir logo acabe essa determinação por conta do decreto do executivo e legislativo do município. Estamos tendo essa observância por conta do surto de Coronavírus”, afirmou.

O Ministério Público se pronunciou sobre o caso e rechaça o argumento do presidente da casa. Para o MP a justifica de não dar posse à José Valdir não se justifica e recomenda a posse imediata. O não cumprimento da recomendação estará passível de responsabilização criminal e incorrerá em improbidade administrativa.

Leia a recomendação 

Comentários do Facebook